Notícia

TCE-RS, em cautelar, suspende Concorrência Pública para alienação de imóveis do Município. Recursos não podem ser utilizados para o pagamento de precatórios

10 de Outubro de 2018
TCE-RS, em cautelar, suspende Concorrência Pública para alienação de imóveis do Município. Recursos não podem ser utilizados para o pagamento de precatórios

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS) emitiu cautelar parcial determinando que prefeito se abstenha de promover a abertura das propostas dos participantes da Concorrência Pública 004/2008, cujo objetivo é a alienação de bens imóveis de propriedade do Município.

A decisão, emitida pelo conselheiro Cezar Miola, originou-se de Inspeção Especial instaurada para verificar possíveis irregularidades no certame. O conselheiro seguiu a área técnica do TCE-RS, que assinalou que os recursos financeiros oriundos de alienação de imóveis públicos não podem ser utilizados para pagamento de precatórios, como estabelecido por leis municipais, o que fere a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Conforme a LRF, os recursos financeiros, oriundos de conversão de bens em espécie, como são aqueles obtidos com a alienação de imóveis, não podem ser utilizados para pagamento de despesas correntes, salvo se destinadas por lei aos regimes de Previdência Social, Geral e Próprio dos servidores públicos.

Dessa forma, há indícios de que seja ilegal a venda promovida pelo Município através da Concorrência Pública nº 004/2018, uma vez que se destina em proporção de 60% ao pagamento de precatórios, considerados despesas correntes, ou seja, de natureza ordinária, que requerem planejamento orçamentário e financeiro para seu custeio. Na mesma linha, o receio de que 40% do montante adquirido com o negócio seja empregado na manutenção, e não na construção de novas redes viárias e sanitárias, o que também contrasta com o disposto pela LRF.

A cautelar não foi emitida em relação ao pedido de negativa de executoriedade do artigo 5º das referidas Leis Municipais, por não se tratar de ofensa a ato normativo constitucional passível de ser apreciada pelo TCE-RS. O prefeito tem o prazo de 30 dias para prestar esclarecimento.

Sabrina Stieler – Assessoria de Comunicação Social

Link da Notícia: http://www1.tce.rs.gov.br/portal/page/portal/tcers/administracao/gerenciador_de_conteudo/noticias/TCE-RS%
20barra%20aliena%E7%E3o%20de%20im%F3veis%20pela%20prefeitura%20de%20Bag%E9

Fonte: Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul - TCE-RS
Data da Notícia: 10/10/2018